Review: Supernatural 7×17 – The Born-Again Identity

Um episódio com Misha Collins e Mark Pellegrino não podia ser menos que ótimo.

Sempre achei Sera Gamble uma roteirista mediana, mas nos últimos episódios que escreveu (nos 2 últimos, para ser mais preciso), ela tem acertado bastante nas escolhas que faz. Nesse ela usou de alguns artifícios simples para criar um ótimo episódio e que só me fez ficar mais feliz com o nível da temporada.

Sobre o mini-plot envolvendo o irmão da garota (não me lembro o nome dela), acho que para muitos pareceu um pouco deslocado, mas era so um artifício para não tornar as torturas de Lúcifer enfadonhas. E sobre o caso em si, foi bastante simples, mas foi um tanto criativo o lance da pulseira.

Eu esperava ver os danos que Sam teria quando quebrasse a “barreira” desde o ultimo episódio da temporada passada, por um momento me pareceu que os roteiristas tinham esquecido isso, mas nesses últimos episódios tem sido tratado da forma que deveria ter sido desde o início, com pequenos comentários aqui e ali, para depois vermos os danos ao personagem chegarem no nível máximo. Jared Padalecki se esforçou nesse episódio, e digo que ele fez um bom trabalho aqui. Sua interação com Mark Pellegrino foi um dos grandes acertos do episódio e a forma como as cenas foram construídas deram um brilho a mais nesse plot.

E finalmente vimos o tão esperado retorno de Misha Collins a Supernatural, achei aquela história dele ter simplesmente saído do lago sem memória e roupas muito simples, espero que expliquem melhor essa história. Sabia que Dean tinha ficado #chatiado com Cass, mas não dessa forma. Ver Dean e “Emmanuel” no carro foi bastante tenso, afinal Dean estava descontando toda a raiva numa “pessoa” sem memória, foi bastante tenso. Por falar em memória, a forma como Cass recuperou a sua foi fraca e forçada, seria bem melhor se ele tivesse recuperado enquanto estava conversando com Dean, mas os flashbacks mostrados durante enquanto ele recuperava a memória, recompensou um pouco essas falhas.

Por mais que eu tenha gostado da aparição da Meg nesse episódio, fico me perguntando o porquê. Ela me pareceu tão avulsa que acho que a presença dela só será explicada por completo em algum episódio futuro. Acho que as únicas funções dela foram salvar Dean, ficar no hospital para cuidar de Cass, fez o papel da “voz da consciência” do Dean para fazê-lo contar a verdade para Cass. Ela pareceu estar lá pelo os outros e não por ela, o que é bem estranho, principalmente falando da Meg.

A solução para os problemas de Sam foi interessante e formou uma teoria na minha cabeça: Cass disse que fez uma inversão, e ficou com Lúcifer o atormentando, mas essa inversão teria deixado alguma coisa do anjo em Sam? Se sim, isso poderia gerar uma história interessante para os próximos episódios. Não posso deixar de ficar triste com essa “inversão”, já que assim perdemos a chance de ver Mark Pellegrino mais regularmente, uma pena.

Esse episódio trouxe algumas novas possibilidades para esse final de temporada, que, pelo jeito, será muito corrida. E para descontrair um pouco, no próximo episódio temos a presença de Garth resolvendo o caso de uma criatura que se parece com a Samara de O Chamado. Espero que continue com a qualidade que a série está mantendo.

PS: Bobby, era você?
PS.2: Tem certeza, Bobby?
PS.3: Nada sobre Frank :/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s